04Dezembro2022

 
 
 

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Rússia supera sanções

Durante o programa de negócios da 8ª edição do ARMY 2022 International Military and Technical Forum, a Rosoboronexport ocupou um espaço de cerca de 1.700 m2 e apresentou centenas de produtos de empresas russas envolvidas no setor de material de defesa. “Em 2022, a Rosoboronexport organizou um abrangente programa de negócios, em paralelo ao ARMY Forum. Realizamos mais de 70 negociações, durante as quais discutimos vários assuntos técnico-militares com representante de 30 países. Fechamos vários contratos de exportação e lançamos as fundações de outros, no valor de mais de US$14,5 bilhões”, disse Alexander Mikheev, CEO da empresa (Foto: Yuri Laskin). Não foram revelados detalhes dos contratos assinados, mas de acordo com informações da agência de notícias Interfax-Military News, dois deles somaram mais de US$390 milhões.

“A empresa apresentou cerca de 350 produtos russos às delegações de países que participaram do Forum., e os itens que despertaram maior atenção foram o caça de quinta geração Sukhoi Su-57E, o carro de combate T-14 Amata, o helicóptero de ataque Ka-52E, o sistema antiaéreo Tor-E2, o sistema de mísseis anticarro Kornet-E e a viatura de combate de fuzileiros sobre rodas K-17 Boomerang”, acrescentou Mikheev. A Rússia ajustou suas operações de exportação de material de defesa às sanções dos EUA e da União Europeia, disse ele num “briefing” para a mídia. “Ao longo do primeiro semestre, a Rosoboronexport conseguiu entregar produtos num valor superior a US$5,4 bilhões, e deve repetir esse valor na segunda metade do ano. Os obstáculos que estão sendo criados pelas sanções do Ocidente foram superados e o portfólio de encomendas chegou a US$52,4 bilhões”, acrescentou. “Não escondemos que há problemas, mas nós os resolvemos em conjunto com nossos parceiros”.

O CEO da Rosoboronexport destacou que a empresa “trabalha e cumpre todas as obrigações”, utilizando pagamento nas moedas nacionais. “Atualmente trabalhamos com rúpias da Índia, yuans da China, com rublos e também empregamos outros instrumentos financeiros. Portanto, tudo isso torna mais ou menos possível recebermos pagamentos dos equipamentos entregues”, explicou. Ao mesmo tempo, apontou que a pressão do Ocidente não se limita a sistemas referentes à cooperação técnico-militar, mas também atinge a esfera civil, o setor de bancos, o de seguros e as empresas logísticas. “Há muitas nuances diferentes, entretanto compreendemos e aceitamos essas regras do jogo, e estamos trabalhando e cumprindo nossas obrigações”, reforçou.

Mikheev também lembrou as decisões tomadas nessa área a nível do Presidente da Federação Russa, do governo e do Banco Central. Graças a essas ações, disse ele, “Temos um sistema de pagamentos mais flexível”. Falando sobre as perspectivas, declarou que a Rússia precisa desenvolver armas de alta precisão, armas baseadas em novos princípios físicos, sistemas não tripulados e sistemas de comando e controle centrados em rede. Observou que essas conclusões foram obtidas com base na análise de conflitos passados.