19Setembro2018

   
  
   

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

1º Desafio de Blindados do Exército Brasileiro reúne unidades dotadas de Leopard 1A5BR

No período de 27 a 31 de agosto, o Centro de Instrução de Blindados (CI Bld) General Walter Pires organizou o 1º Desafio de Blindados do Exército Brasileiro, denominado “Desafio de Blindados Plínio Pitaluga”.

O objetivo principal do exercício foi de incentivar e cooperar com o adestramento no âmbito das organizações militares dotadas de Viaturas Blindadas de Combate Carros de Combate (VBCCC) Leopard 1 A5 BR.

O nome dado ao desafio homenageia o General Plínio Pitaluga, que comandou o 1º Esquadrão de Reconhecimento Mecanizado, única fração blindada da Força Expedicionária Brasileira na Segunda Guerra Mundial. Essa subunidade combateu, por mais de 200 dias, as forças alemãs e italianas que tentavam barrar o avanço aliado nos campos de batalha da Itália.

O desafio, previsto no Programa de Instrução Militar e regulado pelo Comando Militar do Sul, foi inspirado em competições internacionais, tais como: a Worthington Challenge, do Canadá; a Europe Strong Tank Challenge, da Alemanha; a Sulivan Cup, dos EUA; e a Tank Biathlon, da Federação Russa.

No mundo todo, a ferramenta dos desafios é utilizada como um catalizador para acelerar e aperfeiçoar o adestramento da tropa.

A atividade, realizada pela primeira vez no Brasil, contou com a participação das duas brigadas blindadas do país, a 5ª Brigada de Cavalaria Blindada, sediada em Ponta Grossa (PR), e a 6ª Brigada de Infantaria Blindada, com sede em Santa Maria (RS).

As brigadas blindadas foram representadas pelos seus Regimentos de Carros de Combate (RCC), sendo o 1º, 3º, 4º e 5º RCC, localizados em Santa Maria (RS), Ponta Grossa (PR), Rosário do Sul (RS) e Rio Negro (PR), respectivamente. Cada RCC enviou uma seção de carros de combate. Uma seção é composta por dois carros de combate e guarnecida por oito militares, sendo um oficial, um sargento, quatro cabos e dois soldados.

Na jornada do dia 27 de agosto, foi realizada a cerimônia de abertura, leitura das regras de segurança e ambientação da atividade para todos os envolvidos. O desafio foi organizado em três grandes estações, cada uma com três oficinas que seriam executadas entre os dias 28 e 30 de agosto, em esquema de revezamento pelas seções dos RCC.

A primeira estação, sob responsabilidade da Seção de Ensino e Operação de Blindados, abordou assuntos complexos e de conhecimento obrigatório do combatente blindado. Foram executadas, nesta estação, as oficinas de roteiro de tiro, com execução do tiro real da metralhadora coaxial, de orientação embarcada e de pedido de apoio de fogo de Artilharia, onde encontrava-se disponível o moderno Simulador de Apoio de Fogo do Centro de Adestramento Sul (CA-Sul), aumentando o realismo da atividade.

A Seção de Ensino de Material Bélico ficou encarregada da segunda estação que possuía as oficinas de fechamento da lagarta, primeiros socorros e operação de metralhadoras. Todas essas atividades exigiram um grande preparo físico dos militares, além do conhecimento técnico.

A última estação, a cargo da Seção de Simuladores, avaliou técnicas, táticas e procedimentos das seções de carros de combate. Os instrutores foram unânimes em afirmar que o desempenho nas oficinas de observação, identificação de blindados e cenário de combate evidenciou uma grande preparação dos participantes e também destacaram a utilização do Treinador Sintético de Blindados (TSB), utilizado na última oficina. O TSB, fabricado pela empresa alemã KMW, é o mais moderno simulador da VBCCC Leopard1 A5 BR que dispõe o Exército Brasileiro.

A principal meta do exercício, que não foi a de encontrar a melhor guarnição de CC do país, prendeu-se em incentivar e cooperar com o adestramento dos quadros no âmbito das organizações militares dotadas de VBCCC Leopard 1 A5 BR, com foco nas táticas, técnicas e procedimentos (TTP) de pequenas frações, guarnição e seção. Por esse motivo, o resultado final foi divulgado em padrões evidenciados. Padrão ouro, para as duas melhores seções e padrão prata, para as duas restantes.

Encerradas as tarefas e preenchidas as tabelas de avaliação, ficou claro o nível de adestramento das seções participantes. Os militares do 3º e 4º RCC atingiram o padrão ouro e do 1º e do 5º o padrão prata. A diferença de pontuação entre todos os participantes foi muito pequena, demonstrando que o evento atingiu seu principal objetivo, ou seja, contribuiu para o adestramento dos quadros dos RCC.

Para o futuro, vislumbra-se a ampliação da atividade com a participação de seções mecanizadas de Infantaria e de Cavalaria e, também, de fuzileiros blindados. Planeja-se ainda, a médio prazo, o convite a nações amigas do entorno estratégico para integrar o evento e o envio de equipes brasileiras para as competições internacionais, afirmou o Chefe da Seção de Doutrina do CIBld, Major Luis Felipe Martins Aguiar.

Ações como essa fortalecem o adestramento de nossas tropas, incrementando a dissuasão militar e contribuindo para a defesa da Pátria (Fonte: CI Bld).