23Maio2019

 
    
    

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

Consórcio Damen Saab Tamandaré dá mais detalhes sobre sua proposta

O consórcio Damen Saab Tamandaré divulgou mais alguns detalhes sobre sua proposta para o programa CCT (Corvetas Classe Tamandaré). A proposta apresentada à Marinha do Brasil (MB) contempla um amplo programa de transferência de tecnologia, com parcerias e fortalecimento de empresas locais. De acordo com o cronograma estabelecido pelas empresas, os primeiros dois módulos (3 e 5) da primeira corveta serão construídos no estaleiro da Damen, na Holanda, enquanto os (1, 2, 4 e 6) serão construídos no estaleiro da Wilson Sons, no Guarujá-SP.

Nessa etapa, engenheiros e técnicos brasileiros poderão adquirir conhecimento in loco durante um treinamento que, de acordo com o cronograma, deve durar de três a seis meses. Ao retornarem ao Brasil, esses profissionais terão adquirido conhecimento suficiente para promover a transferência de tecnologia às indústrias locais e, a partir disso, todos os módulos da segunda à quarta corveta serão construídos no Brasil.

Outro objetivo do grupo é de adquirir o máximo possível de conteúdo local no que diz respeito a fornecedores de materiais e serviços. A fim de ampliar a parceria com novas empresas locais, o Consórcio tem promovido encontros com as indústrias brasileiras para apresentar o projeto das Corvetas e mapear possíveis fornecedores.

A cadeia de parceiros apresentada pelo Consórcio Damen Saab Tamandaré possibilitará uma curva de aprendizado reduzida em relação aos processos do projeto, pois as empresas integrantes do Consórcio já têm um longo histórico de parcerias mútuas no Brasil e no mundo. A Damen e a Wilson Sons Estaleiros, por exemplo, somam quase 30 anos de parceria e já trabalharam juntas em mais de 90 projetos; além disso, a empresa brasileira CONSUB atua com a Marinha do Brasil há mais de 20 anos, e a WEG e a Wilson Sons desenvolvem projetos em parceria há mais de dez anos. Entre as outras empresas brasileiras envolvidas estão a Akaer, a Opto Eletrônica e a Atmos Sistemas, que já trabalham em parceria com a Saab no desenvolvimento do programa do Gripen brasileiro.