04Junho2023

  
  

Segurança & Defesa

Portuguese English French German Italian Russian Spanish

CFN: café da manhã, um pouco de história e JLTV

No dia 6 de março de 2023, em comemoração aos 215 anos de fundação do Corpo de Fuzileiros Navais, o Almirante Carlos Chagas, Comandante-Geral da referida instituição militar, recebeu representantes da mídia para lhes apresentar um quadro, extremamente atualizado, do Corpo de Fuzileiros Navais - CFN, de sua estrutura, efetivos, operações em curso e, sobretudo, o dos seus novos equipamentos militares. 

O Almirante Carlos Chagas e os Almirantes de seu staff, Renato (Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra), Lage (Comandante de Material do CFN) e Taulois (Comandante de Pessoal do CFN) discorreram sobre o pronto aprestamento da força anfíbia nas operações em curso, provendo assistência a populações em recente calamidade no litoral paulista e auxiliando população indígena Yanomami na região fronteiriça com a Venezuela.

Na ocasião, abordaram questões importantes quanto à seleção e a admissão de mulheres como combatentes nos quadros dos Fuzileiros, tanto como praças quanto como oficiais, oriundas da Escola Naval. A ascenção de mulheres às funções de oficiais combatentes no CFN se insere num planejamento esmerado, buscando aproveitar as melhores características do sexo feminino, seus talentos e habilidades, respeitando as questões de gênero e suas limitações, sem descuidar da manutenção do poder de combate da tropa. Em face dessas premissas, o Corpo de Fuzileiros Navais projeta que, no futuro, a proporção de efetivos do sexo feminino pode chegar a até 20% de todo efetivo da corporação, o qual, hoje, compreende 17.273 militares, todos servidores públicos concursados, altamente treinados, totalmente profissionais e com treinamento militar diferenciado, cuja qualidade é reconhecida pelas melhores forças congêneres estrangeiras. Os Almirantes discorreram também sobre o programa de treinamento anual dos Fuzileiros, necessário para manter a excelência profissional da tropa — cuja eficiência granjeou o reconhecimento da Organização das Nações Unidas —, sua capacidade anfíbia e a manutenção de uma mentalidade expedicionária.  

Historicamente, o Corpo de Fuzileiros Navais é extremamente cioso de sua excelência e do seu equipamento diferenciado. Em meados dos anos 50, o Almirante Sílvio de Camargo formou sua tropa no Quartel General para apresentar aos seus efetivos os novíssimos fuzis semiautomáticos belgas FN49 (antecessor do FAL), conhecidos no CFN como FS. Tratava-se de um fuzil infinitamente superior aos Mauser de repetição e aos poucos M1 Garand semiautomáticos de que dispunham as Forças Armadas no Brasil. As armas representavam o estado da arte, s sua eficácia fora recentemente demonstrada nos combates da Guerra da Coréia. O FS levou os infantes do CFN a um patamar impossível de alcançar com os obsoletos fuzis alemães de mais de 50 anos, sendo superiores a tudo que, na época, mobiliava as forças brasileiras!

E, agora, no dia 6 de março, o Almirante Carlos Chagas apresentou os novíssimos blindados M1278 A1 Joint Light Tactical Vehicle - JLTV, moderníssima viatura blindada leve sobre rodas, de última geração, extensamente testada em combate pelas forças norte-americanas. O blindado, para até cinco tripulantes, pertence a uma categoria de veículos inédita no CFN, e complementa as grandes VBTP Piranha operando em missões de escolta, exploração/ reconhecimento e toda gama de missões que requeiram agilidade, aumentando a capacidade de proteção e sobrevivência dos militares tanto contra disparos de armamento leve, quanto contra minas terrestres e Artefatos Explosivos Improvisados. A viatura exposta é um dos doze exemplares do primeiro lote dessas viaturas de excepcional mobilidade (inclusive com suspensão independente e regulável), que poderá ser armado de torres dotadas de metralhadoras médias, pesadas ou de lançadores de granadas de 40mm.

O JLTV pode vadear pequenos cursos d’água, assim como tem capacidade de geração/acúmulo de energia capaz de atender às necessidades de potência dos modernos equipamentos de comunicações e de contramedidas eletrônicas para operar em locais com risco de ataques por drones e Artefatos Explosivos Improvisados, acionados por meio de rádio ou telefonia celular.

Quando constatamos que, hoje, a nossa criminalidade comum ostenta poderosos fuzís anti-material, verificamos o quanto veículos como o JLTV serão inestimáveis em ambientes urbanos conflagrados, em missões de Garantia da Lei e da Ordem, e também assegurando a eficácia da tropa em missões de segurança ou de natureza humanitária em ambientes no exterior. 

Nós, da revista “Segurança & Defesa” acreditamos que não investimos em nossas Forças Armadas o suficiente para a desincumbência de toda sorte de missões que possam ser necessárias. Assim sendo, só podemos desejar que a vocação pacífica e ordeira de nosso país possa continuar a ser garantida por uma força de Fuzileiros Navais extremamente bem equipada, treinada e armada com o que de melhor e de mais moderno lhes possamos fornecer.

(Texto e fotos de Vinícius Domingues Cavalcante, que representou “Segurança & Defesa” no café da manhã com a mídia, em 6 de março de 2023).